Professor da UFPB é suspeito de usar diplomas falsos em currículo

Policial 07/02/2017 às 21:20


 Um professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) é suspeito de usar diplomas falsos para comprovar seu currículo. Segundo as primeiras informações da Polícia Federal, ele atuava há dez anos na instituição. A advogada de Deyve Redyson, Kátia Farias, afirmou que toda a titulação dele é idônea e legítima.

Todos os diplomas, incluindo um de douturado, foram recolhidos pela Polícia Federal durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão na segunda-feira na casa do professor no bairro de Miramar, em João Pessoa. Todos eles seguiram para perícia. O professor foi afastado de sala de aula pela universidade preventivamente. Ele deve ser indiciado por uso de documentos falsos e falsidade ideológica. A investigação criminal corre em segredo de justiça.

A Polícia Federal recebeu a denúncia, começou a investigar e solicitou cópias de documentos à UFPB. Foram listadas as instituições de origem dos diplomas e a PF entrou em contato com elas, que informaram não ter emitido documentos em nome do professor investigado. As investigações fazem a polícia desconfiar que ele não seja sequer graduado. 
 
A advogada Kátia Farias disse que a defesa do professor está colaborando com as investigações. “Nesse momento, nossa estratégia de deeles sejam esclarecidos o mais rapidamente possível. Essa prova, ela é trabalhosa, mas ela não é complexa, porque toda a história acadêmica do professor Deyve, inclusive todos os títulos dele, estão amplamente registrados em todas as universidades por onde ele passou. Então a apuração, a conferência séria desses registrofesa é auxiliar ao máximo os órgãos que estão apurando esses fatos para que s, eu tenho certeza vai esclarecer tudo, tanto para a sociedade, quanto para a comunidade acadêmica”, disse.
 
Ela também informou que Redyson está "absolutamente abalado" com as acusações e se encontra sob atendimento médico. Ainda segundo a advogada, todos os documentos foram entregues pacificamente à Polícia Federal. "Negam-lhe o direito à sua própria estória, profissional e de vida. Pois sua vida foi integralmente dedicada ao estudo e depois ao ensino", afirmou a advogada.
 
A UFPB informou por meio de sua assessoria que foi informada da investigação sobre a falsificação de documentos por parte do professor ainda na segunda-feira. 
De acordo com a assessoria, o processo foi encaminhado para o procurador da instituição e uma medida administrativa foi iniciada na Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas. De acordo com a UFPB, a medida administrativa foi tomada para que a relação profissional do suspeito seja suspensa até a situação ser esclarecida.

Compartilhe isso

Comentários