Brasil pede ao Canadá esclarecimentos sobre subsídios à Bombardier

Brasil 08/02/2017 às 21:44


 O Itamaraty informou nesta quarta-feira (8) que o Brasil apresentou um pedido de consultas ao Canadá sobre os subsídios concedidos por aquele país à nova linha de jatos C-Series da empresa Bombardier, uma das principais concorrentes da brasileira Embraer. O pedido de consultas foi apresentado dentro do Sistema de Solução de Controvérsias da Organização Mundial do Comércio (OMC).

A abertura de um mecanismo de solução de controvérsias é o primeiro passo dentro de um processo na OMC. Nesse primeiro momento, o governo brasileiro pede esclarecimentos ao governo canadense. Se as respostas não forem satisfatórias, o Brasil pode levar o processo adiante.

O Brasil afirma que a Bombardier recebeu pelo menos US$ 2,5 bilhões em apoio governamental para colocar sua nova linha de aviões no mercado a preços artificialmente reduzidos. Em nota, o ministério afirma que “novos aportes têm sido anunciados, o que pode aprofundar ainda mais as distorções no setor aeronáutico, em detrimento dos interesses brasileiros.”
 
O Itamaraty afirmou que espera que as consultas levem à solução dos problemas apresentados.
 
 
Em dezembro, quando o Conselho de Ministros da Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) aprovou a abertura do procedimento de solução de controvérsias contra o Canadá, a Embraer informou que os questionamentos se referiam aos subsídios de mais de US$ 4 bilhões oferecidos pelo Canadá à Bombardier, e que somente em 2016, foram aportados US$ 2,5 bilhões à fabricante canadense.
 
“O entendimento do governo brasileiro, compartilhado pela Embraer, é de que os subsídios oferecidos à Bombardier pelo governo canadense, além de assegurar a sobrevivência da empresa, permitiram-lhe oferecer suas aeronaves ao mercado a preços artificialmente baixos, desorganizando o setor de jatos comerciais e ferindo os compromissos assumidos pelo Canadá na OMC", afirmou a empresa.

Compartilhe isso

Comentários