Revista denuncia mordomias do ex governador Sérgio Cabral na prisão

Brasil 01/04/2017 às 21:18


 Preso desde novembro do ano passado na Operação Calicute, um dos braços da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) leva uma vida de regalias no presídio de Bangu, no Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste da capital fluminense. As denúncias foram feitas pela revista IstoÉ que chega às bancas neste fim de semana.

A reportagem mostra, ainda, que as mordomias do ex-governador que não são acessíveis aos demais presos se estenderam à ex-primeira-dama Adriana Ancelmo, que teve aceito pela Justiça na semana passada o pedido de que sua prisão fosse convertida em prisão domiciliar. Segundo a revista, as regalias de Cabral e Adriana foram autorizadas pelo próprio Secretário de Estado de Administração Penitenciária (SEAP), Cel. Erir Ribeiro Costa Filho, ex-Comandante-Geral da Polícia Militar do Rio de Janeiro na gestão de Cabral (2006-2014) e têm o aval do governador Luiz Fernando Pezão.
 
As benesses para Cabral:
 
• Dorme na biblioteca, onde tem ar refrigerado
 
• Tem acesso à internet e celular na sala da administração
 
• Recebeu colchão novo
 
• Roupas de cama e banho são lavadas em sua casa (as dos demais presos, somente na penitenciária)
 
• Recebe visitas fora do horário
 
• Tem vasos sanitários ao invés de buraco no banheiro da cela
 
Os privilégios de sua mulher, Adriana Ancelmo:
 
• Está cumprindo prisão domiciliar em seu apartamento no luxuoso bairro do Leblon
 
• Enquanto esteve em Bangu, recebeu uma recheada cesta de Natal
 
• Recebia comida de fora do presídio, como do restaurante Espeto Carioca
 
• Tomava banho de sol em horários diferenciados
 
• Recebia tênis “de marca” enviados por familiares
 
• Tinha audiências frequentes com a direção da cadeia sempre que algo a incomodava
 
Os benefícios dos dois:
 
• O casal gastava em torno de R$ 400 por semana no refeitório, enquanto que o valor limite estipulado para os demais era de R$ 100
 
• Por causa deles, foi alterado, no início deste ano, o número de bolsas com alimentos que os visitantes podem levar para os detentos: de 2 para 3
 
• Deixou de ser obrigatório o uso do uniforme penitenciário bastando usar calça ou bermuda jeans, blusa branca e tênis, e tudo pode ser próprio
 
• Mudança no cardápio oferecido pelas cantinas do presídio que inclui, agora, também carnes e peixe (até camarão)
 
• O secretário de Administração Penitenciária foi várias vezes visitar Cabral para ouvir suas reclamações sobre o presídio

Compartilhe isso

Comentários