O que se sabe até agora sobre o jogo que tem levado adolescentes ao suicídio

Policial 22/04/2017 às 10:27


Um tema que tem prevalecido em rodas de conversas em todo o país é o preocupante jogo da Baleia Azul. A propostas de desafios surgiu nas redes sociais e determina que os participantes realizem tarefas como mutilação, furar a própria mão várias vezes, adoecerem de forma proposital até que se chegue a última etapa, que é o suicídio.

COMO FUNCIONA É uma espécie de 'Siga o Mestre'. Existe um tipo de 'mentor' que dita as regras e propõe os desafios aos participantes pedindo fotos que comprovem que a tarefa foi realizada. O total é de 50 desafios.
 
ORIGEM Existe a informação de que este jogo mortal teria surgido na Rússia e se espalhou através das redes sociais, como por exemplo o Facebook, assim como através do aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp. Em fevereiro, duas adolescentes se jogaram do alto de um prédio de 14 andares em Irkutsk, na região da Sibéria. Segundo investigações, Yulia Konstantinova, de 15 anos, e Veronika Volkova, de 16, se suicidaram depois de percorrer as 50 tarefas enviadas. Em sua página no Facebook, Yulia tinha compartilhado a imagem de uma baleia azul. Desde então, em vários países, casos de suicídio ocasionados pelo jogo já foram registrados.
 
CASOS NO BRASIL Em Santa Catarina surgiram os primeiros relatos de jovens envolvidos com o jogo no Brasil. Uma jovem de 20 anos da cidade de Tubarão foi impedida de cometer suicídio. Outro caso foi no município de Lajes, onde um adolescente de 15 anos foi salvo pela mãe. No Rio de Janeiro, um jovem de 22 anos recebeu mensagens em tons de ameaça convidando-o para entrar no jogo: Caso nos bloqueie ou nos ignore, mandaremos seu número a nosso chefe.
 
Ele pegará seus dados e descobrirá seu nome". No estado do Mato Grosso, um inquérito foi instaurado no Mato Grosso para apurar as circunstâncias da morte de uma adolescente de 16 anos, encontrada numa represa de Vila Rica. De acordo com as autoridades, a mãe da jovem teria identificado cortes nos braços da vítima há cerca de dois meses. Ela também entregou à polícia duas cartas escritas a mão pela filha. Os investigadores aguardam ainda o resultado da perícia no celular da jovem.

NA PARAÍBA O suicídio de um adolescente de 12 anos ocorrido em João Pessoa pode estar relacionado com o jogo/desafio “Baleia Azul”. O fato foi revelado pelo tenente coronel Arnaldo Sobrinho, comandante do Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop). Segundo ele, o suicídio aconteceu no mês de março.
 
De acordo com Arnaldo Sobrinho, além do suicídio, a equipe do Ciop também constatou que há pelo menos um mês houve a participação de outras pessoas no jogo. “As situações foram verificadas numa escola pública da Zona Sul e numa escola pública do Centro”, esclareceu o militar.
 
De acordo com informações da polícia, a Paraíba já teria contabilizado pelo menos dez casos de jovens envolvidos no desafio ‘Baleia Azul’, que consiste aos participantes a prática de desafios de automutilação até serem coagidos a cometerem suicídios.
 
Ainda segundo as investigações, em um dos casos, uma estudante de 14 anos teria feito cortes em parte dos braços e em seguida subiu no teto da escola para cumprir um dos desafios do ‘jogo’.
 
A polícia afirma ainda que o caso da adolescente de João Pessoa foi descoberto pelos familiares após eles ligarem o fato registrado na escola ao desafio. Agora, ela passa por acompanhamento psicológico.
 
O QUE DIZEM OS ESPECIALISTAS Especialistas recomendam que os pais fiquem atentos as atividades dos filhos na internet para evitar o contato com este tipo de situação. Psicólogos afirmam ainda que é preciso ficar atento ao comportamento dos filhos e em caso de qualquer mudança que apresente quadro semelhante a depressão ou pensamento/tentativa de suicídio é preciso procurar ajuda.

REPERCUSSÃO A deputada Eliziane Gama (PPS-MA) enviou ofício à PF pedindo que seja aberto um inquérito para apurar os responsáveis pela propagação do jogo de origem russa, praticado em grupos fechados nas redes sociais. A parlamentar defende que o plenário da Câmara debata o tema em uma comissão geral, com a participação de congressistas e outros representantes da sociedade civil.
 
Na esfera legislativa, os deputados querem endurecer a punição para quem utiliza a internet para incentivar pessoas a tirarem a própria vida. Três propostas nesse sentido foram apresentadas recentemente na Câmara – duas delas nesta semana, logo após a divulgação dos casos de suicídio relacionados à “baleia azul”.
 
O deputado Fábio Sousa (PSDB-GO) propõe mudar o Código Penal para dobrar a pena prevista para quem se esconde atrás da rede mundial de computadores para induzir alguém a se matar. Atualmente, a indução ao suicídio é tratada como crime contra a vida. Quando a morte se concretiza, a pena aplicada pode ser fixada entre dois e seis anos de prisão. Mas a legislação não tipifica os casos cometidos com o auxílio da internet.
 

Compartilhe isso

Comentários