PF deflagra 40ª fase da Lava Jato prende dois ex-gerentes da Petrobras

Brasil 04/05/2017 às 09:53


 A Polícia Federal deflagrou na nesta quinta (4) a 40ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Asfixia, e prendeu ex-gerentes da Petrobras.

 
Segundo o Ministério Público Federal, eles faziam parte da área de Gás e Energia da estatal e receberam mais de R$ 100 milhões em propinas de empreiteiras e de operadores financeiros.
 
Em troca desses pagamentos, os ex-gerentes beneficiavam as empreiteiras em contratos com a Petrobras por meio de direcionamento de licitação. O grupo fraudou, de acordo com a Procuradoria, mais de uma dezena de concorrências de grande porte da estatal.
 
O nome dos presos desta quinta são os ex-gerentes Márcio de Almeida Ferreira e Maurício Guedes de Oliveira. Um terceiro fechou acordo de colaboração com a Lava Jato.
 
Também há os representantes das empresas Marivaldo do Rozario Escalfoni e Paulo Roberto Gomes Fernandes.
 
As apurações usaram depoimentos de delatores e quebrou o sigilo bancário, fiscal e telemático dos investigados. Eles teriam recebido propina até 2016, mesmo após a deflagração da Lava Jato. Um dos delatores é o ex-gerente de empreendimentos da área de Gás e Energia Edison Krummenauer, que reconheceu ter recebido aproximadamente R$ 15 milhões no esquema.
 
Segundo os investigadores, o esquema prosseguiu até junho de 2016, mesmo após a deflagração da Lava Jato e a saída dos suspeitos de seus cargos na empresa.
 
As apurações usaram depoimentos de delatores e a quebra do sigilo bancário, fiscal e telemático dos investigados.
 
Operação Asfixia - 40ª fase da Operação Lava Jato; veja número de mandados
 
Foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão, sendo dois de prisão preventiva, dois de prisão temporária e cinco de condução coercitiva. As medidas estão sendo realizadas no Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.
 
Segundo nota da PF, o nome Asfixia "é uma referência a tentativa de cessar as fraudes e o desvio de recursos públicos em áreas da Petrobras destinadas a produção, distribuição e comercialização de gás combustível".
 
Os investigados vão responder por crimes de corrupção, fraude em licitações, evasão de divisas, lavagem de dinheiro dentre outros.
 
Os presos serão levados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Compartilhe isso

Comentários