Confira melhores destinos para se aproveitar ‘mapa de ecoturismo’ na Paraíba

Entretenimento 17/07/2017 às 17:04


 Ilhas, formações rochosas, lajedos e parques são alguns dos lugares à espera de visitantes aventureiros em busca de paisagens para explorar na Paraíba, em sua maioria, em bom estado de preservação. Com a ajuda da coordenadora de Turismo do Sebrae-PB, Regina Amorim, preparou uma lista com os destinos mais procurados pelos turistas para o ecoturismo no estado.

Além da beleza, é importante ressaltar os cuidados que devem ser tomados pelos visitantes para que a preservação da natureza seja mantida. A bióloga Maria Neide Moura Martins de Andrade, Educadora Ambiental do Parque Zoobotânico Arruda Câmera, em João Pessoa, frisou que é imprescindível se educar ambientalmente ao visitar esses locais. "Todos têm que ter a mesma oportunidade de visitar futuramente esses lugares, por isso que é preciso manter a preservação, sempre removendo todas as evidências de que alguém passou por ali. É preciso apagar todas as marcas deixadas, tudo que possa descaracterizar aquele local, todo tipo de lixo".
 
Maria Neide ainda orientou os turistas a não levarem nada dos locais. "É preciso resistir à tentação de levar algo pra casa, como pedras, conchas, flores, etc. Para que outras pessoas possam apreciar, é preciso que continue ali. Apreciar sim, levar não. Se for levar algo, que seja a lembrança. Se for deixar, que deixe a pegada; pegada limpa", finalizou.
 
Parque Estadual Pedra da Boca
Pedra da Boca
Localizado ao norte do município paraibano de Araruna, o Parque Estadual da Pedra da Boca encanta e surpreende seus visitantes com as formações rochosas curiosas do seu território. O local é ideal para quem gosta de rapel e de escalada, além de possuir um cenário exótico. O parque foi criado em 2000 e ajuda a preservar a caatinga paraibana.
 
As atrações do parque atraem milhares de turistas nacionais e internacionais todos os anos, de onde os quais têm como opção as práticas de turismo das mais variadas modalidades, de acordo com os mais variados gostos, a exemplo de turismo de contemplação, ecológico, aventura, religioso, além de ser campo de estudo acadêmico científico de geógrafos, historiadores, arqueólogos de todo Brasil.
 
O Parque além de apresentar afloramentos rochosos magníficos como a Pedra da Boca, Pedra da Caveira (Pedra do Anselmo), Pedra do RN, Pedra do Carneiro e Pedra do Letreiro, para citar algumas, ainda apresenta um valiosíssimo acervo de inscrições rupestres, que são os vestígios dos passos dos indígenas que habitavam estas regiões serranas de Araruna e circunvizinhança potiguar, localizados na Pedra do Letreiro, onde também se encontra o Santuário de Nossa Senhora de Fátima, que atrai muitas pessoas para suas tradicionais missas a todo dia treze de cada mês e em especial no mês de maio onde milhares de pessoas, visitam o parque e nele vêm depositar sua fé.
 
O Parque Estadual da Pedra da Boca apresenta paisagens naturais fabulosas que encantam quem o contempla, seu potencial turístico econômico é gigante, de Araruna e do estado da Paraíba, sendo um local viável para o desenvolvimento da população local,  aliando desenvolvimento econômico e a preservação do meio ambiente, nesta maravilha que brotou no solo do município de Araruna.
 
Parque Estadual Pedra da Boca
Foto: Parque Estadual Pedra da Boca
Créditos: Reprodução
Ilha da Restinga
Localizada no estuário do Rio Paraíba do Norte, com uma área de 540 hectares, a Ilha da Restinga é uma das grandes surpresas para os que visitam e moram na Grande João Pessoa. O local oferece trilhas que atravessam a vegetação, passa por lagoas e mangues e proporciona ao aventureiro mais atento uma interessante e inesquecível aula de biologia em meio a um dos mais preservados recantos do estado.
 
No local só se chega de barco, que sai da Marina Big Toy, situada na praia do Jacaré. Sob agendamento e grupo mínimo de 15 pessoas, é possível almoçar na Ilha, escolhendo um cardápio regional que vai da carne de sol aos frutos do mar.
 
Ilha da Restinga 
 
 
Foto: Ilha da Restinga 
Créditos: Reprodução
Travessia dos Matacões – 15 km por entre lajedos, na APA do cariri
 
Localizado na Área de Proteção Ambiental (APA) do Cariri, no trekking Travessia dos Matacões, o visitante descobre todas as maravilhas da região, conhecendo pontos que somente com as próprias pernas é possível chegar. Nas trilhas os turistas poderão observar pinturas rupestres e alguns vestígios deixados há milhares de anos pelos antigos povos da região, que fará os visitantes se sentirem na pré-história. Esses e muitos outros destinos ligados ao ecoturismo possibilitam ao turista a oportunidade ímpar de entrar em contato com a natureza, por meio de trilhas em meio ao verde e ambientes preservados.
 
Travessia dos Matacões
Foto: Travessia dos Matacões
Créditos: André Dib
Lajedo do Pai Mateus
 
Um grande terreno rochoso com enormes pedras está localizado na cidade de Cabaceiras, Paraíba, a 180km de João Pessoa. O local recebeu o nome de 'Lajedo do Pai Mateus' por causa da história de um suposto curandeiro que teria se instalado no local no século 18, atendendo a pessoas, fazendo rezas e outros rituais em troca de comida e morando entre as pedras.
 
No Lajedo Pai Mateus, os visitantes, segundo Regina, poderão ter uma experiência única de cenário, energia, beleza e contemplação, além de oferecer aos visitantes trilhas por sítios arqueológicos.
 
O local serviu de cenário para alguns sucessos do cinema brasileiro, como 'O Auto da Compadecida', por isso, quem passa na entrada da cidade de Cabaceiras pode observar o letreiro 'Roliúde Nordestina', numa clara alusão ao famoso letreiro de Hollywood.
 
 
Lajedo do Pai Mateus
Foto: Lajedo do Pai Mateus
Créditos: Reprodução
Lajedo do Marinho 
 
Situado em Boqueirão, no Cariri paraibano a 146 km da Capital, o Lajedo do Marinho tem toda a beleza rara do bioma da caatinga. O local é totalmente adaptado para receber os visitantes de forma rural e criativa, com um camping sob o lajedo, aluguel de barracas, energia elétrica, wifi e segurança; possui fogão à lenha e banheiro ecológico. O turista chega ao local subindo por um caminho de pedras.
 
As crocheteiras do Lajedo do Marinho são responsáveis pelo colorido do cenário com as peças de vestuário e acessórios, bem como peças de cama, mesa e banho, expostas à venda. “O grupo ficará no coração dos turistas para sempre, pois a história de superação, transformação e empreendedorismo, através do artesanato, é um exemplo de vida”, comentou Regina Amorim.
 
 
Lajedo do Marinho
Foto: Lajedo do Marinho
Créditos: Reprodução
APA do Rio Mamanguape
 
A APA do Rio Mamanguape, localizada em Rio Tinto, a 52 km da Capital, é o habitat do peixe boi marinho. No rio, o mamífero, que corre risco de extinção, é observado com relativa facilidade. A região é a principal área de concentração da espécie marinha no Nordeste.
 
A área abrange três comunidades: Praia de Campina, Lagoa da Praia e Barra de Mamanguape, com uma população predominante de pescadores e trabalhadores rurais. São manguezais, lagunas, lagoas, praias com cordões de dunas, falésias, mata de restinga e de tabuleiro e uma peculiar barreira de coral em frente à foz do Rio Mamanguape.
 
“Antes de iniciar seu passeio, é importante verificar a tábua da maré e se organizar, pois uma das mais lindas e diferenciadas ofertas deste local são os passeios de barco ao peixe-boi, ao manguezal, as piscinas naturais e aos recifes de corais que dividem o mar do rio, onde você pode ver tartarugas que emergem para respirar enquanto se alimentam”, comentou Regina.
 
Os turistas mais aventureiros podem desfrutar do mergulho na barreira de corais, trilhas e passeios de canoa. 
 
 
APA do Rio Mamanguape
Foto: APA do Rio Mamanguape
Créditos: Reprodução
Itacoatiaras do Ingá
 
No oeste da Paraíba, a 46 km de Campina Grande e a 109 km de João Pessoa, localiza-se o primeiro monumento arqueológico tombado como patrimônio nacional em 1944: a pedra do Ingá. Identificado pelos arqueólogos como 'itaquatiara', o que em tupi-guarani significa 'pedra pintada', o bloco rochoso possui desenhos esculpidos em baixo relevo que aguçam o imaginário dos místicos e despertam a curiosidade até dos mais céticos.
 
 
Pedra do Ingá
Foto: Pedra do Ingá
Créditos: Reprodução/ AVS
Parque Estadual Mata do Pau Ferro
 
O Parque Estadual Mata do Pau Ferro é uma reserva ecológica situada na comunidade Chã do Jardim, a 9 km da cidade de Areia, no Brejo Paraibano.
 
As atividades realizadas pelo Parque Estadual Mata do Pau-Ferro são desenvolvidas pela comunidade Chã de Jardim, com realização de trilhas, piquenique na mata, artesanato e feirinha de orgânicos. A comunidade desenvolve o turismo rural e tem nele sua base local, sustentada pela indústria de uma polpa de frutas e pelas atividades de ecoturismo realizadas no Parque com grupos de visitantes e turistas de todo o Brasil.
 
 
Parque Estadual Mata do Pau Ferro
Foto: Parque Estadual Mata do Pau Ferro
Créditos: Reprodução
 
Novos roteiros turísticos na região do Vale do Paraíba
 
O potencial turístico da região do Vale do Paraíba está sendo discutido para que novos roteiros sejam formatados. Atrativos como Caminho das Letras, Caminhos de Zé Lins, Caminho das Artes, Caminho das Itacoatiaras e Caminho dos Quilombos, tendo como segmentos principais o turismo cultural e o turismo de aventura, irão integrar o roteiro Caminhos do Vale do Paraíba que será inserido no calendário turístico da Paraíba. Os 12 municípios da região formaram o Fórum de Turismo, que se reuniu no dia 6 de julho, na cidade de Pilar para, junto com a governança local, discutir o desenvolvimento de atividades e ações que atraiam turistas para estas cidades.
 
"Muitos municípios dessa região tem um grande potencial turístico que precisa ser reconhecido e trabalhado. Precisamos juntar nossas forças e potencialidades para criarmos destinos criativos e atrativos", disse o analista técnico do Sebrae Paraíba, Pablo Queiroz. A primeira reunião do Fórum aconteceu na cidade de Ingá, no início de junho, quando foi dado início aos encaminhamentos a partir do diagnóstico turístico realizado pelo Sebrae.
 
Pablo acrescentou que quatro municípios já foram reconhecidos como cidades turísticas e farão parte do mapa turístico da Paraíba. Itabaiana, Ingá, Pilar e Gurinhém estão produzindo material de divulgação de suas potencialidades. Já existe, por exemplo, um debate visando criar o Caminho das Letras, que começaria em Ingá, com as primeiras escrituras rupestres das Itacoatiaras, seguiria para Itabaiana na identidade do poeta Zé da Luz, depois iria para Pilar, com o roteiro de José Lins do Rego e finalizaria em Sapé, com a visitação ao memorial Augusto dos Anjos.
 
"O Sebrae vem realizando um diagnóstico das potencialidades econômicas da região. Estamos fazendo reuniões de sensibilização em muitos municípios e realizando oficinas para a criação das Associações de Cultura e Turismo de cada cidade", completou o analista.
 
O Fórum de Turismo do Vale do Paraíba foi formado durante a segunda edição da Feira de Negócios do Vale do Paraíba (Fenevale), realizada entre 26 e 28 de maio, em Itabaiana. Os municípios que fazem parte do Fórum são: Mogeiro, Ingá, Salgado de São Félix, Itabaiana, Umbuzeiro, Fagundes, Juarez Távora, Pedras de Fogo, Juripiranga, Itatuba, Pilar e Gurinhém.
 
O diagnóstico realizado pelo Sebrae apontou as seguintes potencialidades turísticas dos municípios:
 
- Itabaiana: Artesanato (cerâmica, renda, bordado, madeira e couro). Chamada de terra da poesia, tendo inspiração o poeta Zé da luz, além de Jessier Quirino. Arquitetura com casarios dos séculos XVII (17) e XIX (19) e monumentos históricos. Turismo rural e cavalgada ecológica.
 
- Ingá: Artesanato (renda, labirinto e bordado). As Pedras Itacoatiaras, as primeiras inscrições rupestres, são o grande potencial turístico do município. O parque arqueológico passou recentemente por uma recuperação, oferecendo uma trilha até as pedras, com guia. Outro atrativo é a visita à comunidade quilombola de Pedra D’água.
 
- Pilar: Tombada pelo Iphan por ser o berço do escritor José Lins do Rego, com os atrativos: casarão do escritor (museu atualmente), busto na praça e o Engenho Corredor. Em junho há a Semana José Lins. Potencial para Cavalgada Ecológica, pela beira do rio Paraíba.
 
- Gurinhém: Ecoturismo: Caminhada da Natureza – Circuito Uruçu a Serra do Catolé, passando pela caverna onde se escondeu o cangaceiro Antônio Silvino; Pedra da Raposa, com potencial para a prática de esportes radicais, como rapel; Comunidade Quilombola do Matão.
 

Compartilhe isso

Comentários