Paraíba tem o maior traficante de animais do Brasi

Policial 23/07/2017 às 11:33


Lar do maior traficante de animais do Brasil, o Batalhão de Polícia Ambiental apreendeu de janeiro a julho de 2017 cerca de 3.400 desses animais  de acordo com o Batalhão de Polícia Ambiental. Em 2016 o Fantástico apresentou uma lista dos maiores traficantes de animais do Brasil, onde o primeiro lugar é um paraibano de Patos, que deve R$ 9.1 milhões em multa.

O superintendente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) na Paraíba, Thiago Maranhão, disse que “se existe o traficante é porque existe o mercado final, o consumidor. O grande responsável pelo tráfico animal não é aquele que vai buscar e vender, mas aquele que vai adquirir”.
 
Mais de 70% das apreensões são de aves, mas jabutis, macacos-prego, jacarés e cobras também estão no rol das apreensões, diz o superintendente do Ibama.
 
Multas
Thiago informou que quem cria animais silvestres sem registro pode responder por processo penal e pagar multa de R$ 500. Para quem comercializa o animal, a multa sobe para R$ 5 mil por unidade do animal e, se o animal estiver em extinção, o valor da multa dobra e fica em R$ 10 mil.
 
As pessoas que criam animais silvestres sem registro podem devolver voluntariamente ao Ibama ou à Polícia Ambiental que não vão ser penalizados.
 
Criação regular
Quem deseja criar um animal silvestre deve procurar o Ibama para se regularizar. Os animais podem ser adquiridos em lojas já autorizadas, onde o comprador recebe uma nota fiscal com a licença de criação.
 
No caso do animal aparecer em sua residência, ele deve ser imediatamente levado ao Ibama ou a pessoa deve chamar a Polícia Ambiental. Se desejar ficar com ele, deve dar entrada no processo de regularização.
 
Animais que não têm origem comprovada não podem ser criados de forma doméstica.
“Um animal que chegou até você de forma irregular é porque dois ou três morreram no transporte ou na captura”, disse Thiago Maranhão.
 
Animais de outros biomas
De acordo com o mestre em Geografia, Alexandre de Brito, há no Brasil sete biomas, a Amazônia, a Caatinga, Mata Atlântica, Cerrado, Pampas (também conhecido por Campos), Matas de Araucárias e o Pantanal, onde cada um tem seu conjunto de animais e plantas específicos (fauna e flora).
 
“O prejuízo de introduzir um animal do Pantanal na Caatinga, por exemplo, é a competitividade - muitas vezes injusta - que vai ser gerada, onde as espécies locais podem perder espaço para a espécie invasora”, disse Alexandre.
 
Por isso, quando animais silvestres de outros biomas são apreendidos aqui na Paraíba e passam pelo Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) em Cabedelo, eles não podem ser devolvidos imediatamente à natureza.
 

 

Compartilhe isso

Comentários