Frei Anastácio apresenta voto de pesar pela morte de Zabé da Loca

Política 08/08/2017 às 18:40


 O deputado estadual Frei Anastácio (PT) apresentou voto de pesar pela morte da assentada da reforma agrária e musicista, Isabel Marques da Silva, de 93 anos, conhecida por Zabé da Loca. Ela era do assentamento Santa Catarina, em Monteiro, e ficou conhecida no Brasil e em vários países por tocar pífanos e ter morado 25 anos em uma gruta.

 
Segundo Frei Anastácio, Zabé da Loca foi um exemplo de mulher batalhadora que nunca se acomodou na vida. “Ela esteve sempre na ativa e ganhou notoriedade tocando músicas autorais no pífano. Ela se tornou um ícone cultural da reforma agrária na Paraíba”, disse o deputado.
 
Isabel Marques da Silva, de 93 anos, nasceu em Buíque, Pernambuco, e ganhou o apelido “Zabé da Loca” por morar com a família em uma gruta de pedra (loca) por mais de 25 anos, no município de Monteiro. Zabé da Loca aprendeu a tocar pífano aos sete anos, com o irmão Aristides, e desde então não parou mais. Além de ter participado de eventos por toda a Paraíba, a artista popular fez apresentações em Natal (RN), Recife (PE), Fortaleza (CE), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG) e em Brasília (DF).
 
Carreira artística
 
Zabé mostrou sua arte principalmente em eventos ligados à agricultura familiar, como a Feira Nacional da Agricultura Familiar e Reforma Agrária. A carreira artística começou em 2003, quando Zabé, aos 79 anos de idade, ainda morava na gruta.O talento da agricultora foi descoberto pelo Projeto Dom Helder Câmara (PDHC), do então Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), durante uma atividade do programa de bibliotecas rurais Arca das Letras. No mesmo ano, ela gravou seu primeiro CD, Canto do Semiárido, com composições próprias e uma versão de Asa Branca, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira.
 
O segundo CD de Zabé da Loca, Cantos do Semiárido, foi lançado durante uma apresentação na comunidade do Leitão de Carapuça, em Afogados da Ingazeira (PE). No mesmo ano, ela recebeu o prêmio “Mulher Forte 2003 Ana Maia”, em João Pessoa, onde também recebeu o título de Cidadã Paraibana.
 
Apresentou-se em 2004 no Fórum Cultural Mundial, ao lado de Hermeto Pascoal. Em 2008, gravou o CD Bom Todo – Zabé, da Caverna para o Mundo, lançado no ano seguinte no Sesc Pompéia, em São Paulo. Ainda em 2008, recebeu a Ordem do Mérito Cultural, do Ministério da Cultura. Também foi eleita, aos 85 anos, “Revelação da Música Popular Brasileira”, no Prêmio da Música Brasileira de 2009.

Compartilhe isso

Comentários