Plebiscito informal sobre separação do Sul do Brasil acontece sábado

Brasil 02/10/2017 às 20:39


 Votação não tem validade legal; objetivo é ter 1 milhão de participantes

 
Está marcado para sábado (7), em 900 cidades brasileiras, uma consulta informal sobre a separação do Sul do país do restante do Brasil. Serão 3 mil espalhadas com a pergunta: "Você quer que Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul formem um país independente?". O Plebisul não tem validade legal. Em outubro do ano passado, em outra votação, 95,7% dos 617.543 participantes foram favoráveis à separação. O bojetivo é chegar a 1 milhão de pessoas - 5% do eleitorado da região.
 
“Será bem democrático e extremamente pacífico. Se a pessoa quiser ir na urna e votar ‘não’, ela tem o direito. Todo sulista tem o direito de não querer o Sul separado”, disse à Veja Anidria Rocha, coordenadora do movimento no Rio Grande do Sul. Ela diz que, ao contrário do que acontece esta semana na Catalunha, o movimento não busca por agora declarar a separação do Brasil. "Ainda estamos na fase de consultar a população de forma extraoficial para que, no futuro, possamos ser um país próspero e independente".
 
A Constituição brasileira, em seu primeiro artigo, afirma que o país é formado pela união "indissolúvel" dos estados, o que tornaria ações separatistas ilegais.
 
Internacionalmente, segundo o professor Luís Renato Vedovato, da Unicamp, são três situações para se reconhecer a independência de uma região: quando um país vive sob o jugo colonial de outro, quando um país invade outro e quando há graves violações de direitos humanos. Ele não acredita que isso seja válido para o caso do Sul.
 
 
 
 
 
 
 

Compartilhe isso

Comentários