Texto da reforma política abre brecha para censura à liberdade de expressão

Política 06/10/2017 às 17:10


X Depois de a Câmara aprovar na pressa uma série de medidas para alterar a legislação eleitoral, ontem foi a vez de o Senado enfrentar as polêmicas da minirreforma política. Com um prazo apertado, já que o limite para valer no ano que vem acaba no sábado, senadores aceitaram, em 20 minutos de discussão, o texto enviado pelos deputados, impugnando apenas dois artigos: o que limitava o autofinanciamento em campanhas e o que dava desconto de 90% em multas eleitorais. Diante da correria, muitos não perceberam um artigo que abre a possibilidade para uma forma de censura à liberdade de expressão.
 
 
No texto que trata de propaganda eleitoral na internet, uma emenda obriga sites e redes sociais a suspenderem, em até 24 horas, publicações de conteúdo ofensivo denunciado por usuários sem determinação judicial. Na opinião da senadora Ana Amélia (PP-RS), o artigo aprovado não deixa claro como será feita a suspensão. “A mim me parece que só a Justiça pode mandar tirar do ar alguma matéria ofensiva. E também é um pouco vaga a definição do que é disseminação de ódio. Temos que tomar cuidado para evitar que isso esbarre no cerceamento da liberdade de expressão”, comenta.
 
Saiba mais
Só pautarei reforma política se tiver acordo, diz Eunício
Senadores aprovam com modificações a reforma política da Câmara
Comitê Gestor da Internet pede veto à medida da Câmara que censura conteúdo
Na noite de ontem, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), a Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) lançaram nota afirmando que o dispositivo é censura e pedem o veto do presidente Michel Temer à emenda, que decidirá hoje sobre o assunto. “O Marco Civil da Internet estabelece que, somente mediante decisão judicial, é possível a suspensão ou retirada de informações e opiniões. As associações condenam o discurso de ódio e a disseminação de informações falsas no ambiente da internet ou fora dele, mas assinalam que o combate a esses males só pode acontecer dentro da legalidade.”
 
Autor da emenda que incluiu o texto na Câmara, o líder do Solidariedade, Áureo (RJ), explica que não há nenhuma forma de censura e que a ideia é coibir os perfis falsos na internet que compartilham notícias inverídicas. “A emenda é somente para combater perfis anônimos e falsos. A nossa eleição será cada vez mais virtual. O que queremos é proteger a democracia e dar tranquilidade sobre um debate feito por pessoas verdadeiras. Hoje, as pessoas criam um perfil e inventam notícias. Se for um perfil verdadeiro, o conteúdo voltará para o ar e ficará na internet”, explica. “Cada um tem o direito de publicar o que quiser dentro do seu perfil. Se for verdadeiro, e o alvo se sentir ofendido, aí o problema será resolvido na Justiça”, acrescenta.
 
O especialista em marketing eleitoral que ajudou o deputado a elaborar a emenda, Marcelo Vitorino, ressalta a “boa” intenção do dispositivo. Segundo ele, a ideia é combater a guerrilha virtual que tem tomado conta de campanhas eleitorais em todo o mundo e influenciado resultados. “A emenda não censura o conteúdo, ela censura o anonimato. A ideia é: alguém denuncia, o Facebook, por exemplo, suspende e pede ao autor para que se identifique, para que prove que não é um robô. Se ele mostrar que é um humano, o conteúdo volta e acabou. O texto está de acordo com a Constituição, que dá a liberdade de expressão desde que vedado o anonimato. A matéria permite uma eleição menos corrompida na internet”, garante.
 
Autodoação
 
 
Entre as alterações que os senadores fizeram ontem ao texto dos deputados está a liberação do autofinanciamento de campanha. Por meio de votação simbólica, os políticos aprovaram o requerimento de impugnação, apresentado pelo relator Fernando Bezerra Coelho (PMDB-PE), para retirar o artigo que criava um teto de autodoação de 7% dos gastos de campanha para cargos proporcionais e R$ 200 mil para majoritários. Sugerida pelo PT, a emenda era chamada nos bastidores de “trava-Doria”. Pré-candidato à Presidência da República no ano que vem, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), doou para a própria campanha, em 2016, mais de R$ 2,9 milhões, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Outro que também sofreria com a restrição de autofinanciamento é o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, possível candidato ao Planalto com patrimônio bilionário.
 
O segundo artigo derrubado pelos senadores determinava que os partidos políticos e as pessoas físicas ou jurídicas devedoras de multas eleitorais teriam 90% de desconto para pagá-las. A ideia foi incluída em meio à confusão da reforma política no plenário da Câmara e muito criticada pelos senadores, que viram a proposta como uma “anistia”. O texto da reforma política vai à sanção presidencial e tem de ser publicada no Diário Oficial da União até sábado para ter validade nas eleições de 2018.
 
 
"O texto está de acordo com a Constituição, que dá a liberdade de expressão desde que vedado o anonimato. A matéria permite uma eleição menos corrompida na internet”
Marcelo Vitorino, especialista em marketing eleitoral

Compartilhe isso

Comentários